Notícias

Laboratório da UFVJM atende 59 municípios da região e já ultrapassa a marca de mil testes

publicado: 23/07/2020 16h54, última modificação: 23/07/2020 19h36
Em Diamantina, sede do Laboratório, já foram realizados mais de 350 exames

Em menos de três meses de atividades, o Grupo de Trabalho da UFVJM para diagnóstico do novo coronavírus (SARS-CoV-2), que provoca a Covid-19, ultrapassou a marca de mil testes realizados no Laboratório-Escola de Análises Clínicas (LEAC), do Departamento de Farmácia. Só em Diamantina, onde está sediado o LEAC, a equipe realizou mais de 350 exames, sendo grande parceira das casas de saúde e da prefeitura local.

Através de parcerias com a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES), Ministério Público Estadual e prefeituras, o trabalho e a capacidade de atendimento cresceram amplamente e hoje, com essa ação, a UFVJM atende a demanda de 59 municípios nas áreas de abrangência da Superintendência Regional de Saúde (SRS) de Diamantina e da Gerência Regional de Saúde (GRS) de Pedra Azul.

É também parceira da UFVJM no trabalho dos diagnósticos a Organização de Procura de Órgãos (OPO) - Macrorregiões de Saúde Norte / Nordeste, da Central Estadual de Transplantes (CET), em Montes Claros, que foi atendida com a realização de 21 exames.

 

Impacto no manejo dos leitos em Diamantina

O município sede do laboratório de testes da UFVJM, Diamantina, foi atendido com cerca de 350 testes, desde o início do trabalho. Para o médico infectologista da Prefeitura Municipal de Diamantina e professor da Faculdade de Medicina (Famed) da UFVJM, Frederico Toledo, a experiência em relação à testagem com RT-PCR no enfrentamento da Covid-19 através do laboratório da UFVJM tem sido muito válida e gerado bons resultados. “Temos relatos de que o primeiro paciente que ficou internado no CTI da Santa Casa com suspeita da doença, logo no início, no mês de março, ficou 16 dias em leito isolado esperando o resultado, que ainda era feito na Funed e que, inclusive, foi negativo. A partir do momento em que tivemos acesso aos testes aqui na universidade, passamos a ter uma rotatividade de leitos muito boa, porque o resultado sai em tempo recorde de 12 horas da coleta. Isso gerou a possiblidade de excluirmos rapidamente os casos de Covid e tirar esses pacientes do isolamento, o que é bom para o paciente e para o hospital, que libera o leito para outro paciente suspeito. Isso foi chave para que tivéssemos sempre uma baixa ocupação nos leitos destinados à Covid e para que pudéssemos dar a assistência adequada”, afirma o médico.

 

Trabalho de diagnóstico – Início e ampliação

O trabalho de análises laboratoriais para diagnóstico do novo coronavírus vem sendo realizado pelo Núcleo de Doenças Infecciosas e Parasitárias, no Laboratório-Escola de Análises Clínicas, desde 20 de abril, e faz parte da RedeLab Covid-19, coordenada pela Fundação Ezequiel Dias (Funed). Teve início com insumos próprios para a realização de 200 testes, atendendo primeiramente amostras de casos mais graves das casas de saúde de Diamantina.

De acordo com a coordenadora do LEAC, professora Valéria Gomes de Almeida, já no início do mês de maio, com a chegada de mais insumos, o atendimento passou a incluir os 34 municípios da SRS de Diamantina, aumentando a capacidade instalada para a realização de 25 testes/dia. Logo depois, a pedido da Secretaria de Estado de Saúde, que enviou mais insumos, o GT começou a atender também os 25 municípios pertencentes à GRS de Pedra Azul e a capacidade passou a 50 amostras por dia. “E agora, com a aquisição de novos equipamentos, a meta é chegar à capacidade de 100 testes/dia”, comemora uma das coordenadoras do GT e professora da Famed, Etel Rocha Vieira.

 

Parcerias – Central de Transplantes e Ministério Público/Prefeitura de Diamantina

No mês de maio, a UFVJM assinou uma parceria com a Central Estadual de Transplantes, regional Montes Claros, para análise das amostras de possíveis doadores de órgãos, atendendo uma área com cobertura populacional de mais de 1 milhão de habitantes. “Parcerias como essa são muito importantes e bem vistas pela nossa equipe, pois agiliza o processo de liberação de órgãos, diminuindo o sofrimento de quem está aguardando o falecimento do seu ente querido e de quem está na fila do transplante, além de contribuir para a qualidade do órgão que vai ser transplantado”, afirma a professora Etel. Desde o início da parceria, o laboratório da UFVJM realizou 21 exames encaminhados pela Central de Transplantes de Montes Claros.

Em uma iniciativa do Ministério Público Estadual, em parceria com a UFVJM e Prefeitura de Diamantina, o protocolo evoluiu para a testagem das síndromes gripais, que é o padrão ouro para diagnóstico e identificação precoce desses casos. Frederico Toledo explica: “Com a identificação precoce, conseguimos deixar os pacientes isolados, não transmitindo, e monitorá-los. Com o menor indício de agravo, podemos internar esse paciente precocemente e oferecer tratamento adequado, evitando que ele evolua para a forma grave e necessite de leito de terapia intensiva. Se hoje conseguimos fazer com que o nosso protocolo funcione de maneira segura, rápida e ágil, é devido ao trabalho do laboratório da UFVJM. Na minha visão, esse foi um avanço que fez toda a diferença no manejo dos pacientes com suspeita de Covid no município de Diamantina e região. É um exemplo único no Brasil que deve ser seguido e divulgado. Nesse sentido, precisamos enaltecer a coragem do reitor Janir Alves Soares e da equipe chefiada pelos professores Danilo Bretas, Etel Vieira e Valéria Gomes, em fazer esse laboratório acontecer. Isso foi um dos principais avanços e medidas no combate à Covid-19 na nossa região”, finaliza o médico infectologista da Prefeitura de Diamantina e professor da Famed/UFVJM.

 

Assista a um vídeo sobre as atividades do GT da UFVJM para diagnóstico do novo coronavírus.