Palavra do Reitor

Janir Alves Soares

Chegar à Universidade foi um projeto pensado com os meus pais, Afonso Soares de Oliveira e Cruzelina Alves Ferreira de Oliveira – exemplos de perseverança. Com eles, aprendi que é possível traçar o próprio destino e que deve-se lutar pelas oportunidades. O privilégio de me diplomar e, sobretudo, de permanecer na universidade, proporcionou-me uma série de oportunidades na odontologia e na vida.

Ao longo dos anos, grandes transformações têm acontecido nesta Casa de Ensino Superior. A Faculdade Federal de Odontologia de Diamantina (FAFEOD) tornou-se "Um Diamante para os Vales", pois dela soergueu-se a Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Com apenas 15 anos de existência, hoje a nossa UFVJM tem em sua identidade a ousadia do estar jovem; a origem alicerçada numa próspera FAFEOD, herança do visionário Juscelino Kubitscheck de Oliveira, e o compromisso do acolhimento aos menos favorecidos, incrustado no abnegado espírito da primeira reitora desta casa - professora Mireile São Geraldo dos Santos Souza.

Aos 30 anos de vivência na docência superior, profiro com humildade que conheço os desafios da nossa universidade e tenho certeza que existem soluções. Numa universidade em que as transformações precisam ser continuadas, e estar no cargo de reitor da casa em que me diplomei, representa a oportunidade de contribuir com o projeto iniciado por JK e de compartilhar essa magnífica missão com centenas de homens e mulheres de boa vontade, a exemplo de Flaviana Dornela Verli, Fernando Borges Ramos, Maria de Fatima Afonso Fernandes, Marcus Henrique Canuto, Marcus Vinicius Guelpelli e Ronaldo Lopes Guimarães.

Portanto, as responsabilidades precisam ser partilhadas, uma vez que as contribuições às soluções precisam nascer dos esforços conjuntos mas as ações precisam ser concretas, suprapartidárias, despidas de interesses individuais, de imposições ideológicas ou doutrinadoras. É preciso que as pluralidades de vozes e as diversidades de ideias e conceitos acerca das coisas e do mundo sejam oportunizadas no espaço universitário. Que o diálogo, respeito e tolerância sejam práticas empoderadoras do grandioso Projeto UFVJM - comprometido com a visão, valores e missão desta universidade. 

Geograficamente, com cinco campi estrategicamente distribuídos na porção setentrional do estado de Minas Gerais, tenho consciência dos valores da nossa gente, da riqueza cultural de uma pluralidade étnica que suplanta as cobiçadas riquezas dos nossos solos – não obstante, uma gente explorada e excluída há séculos! Nesse sentido, o Projeto UFVJM representa a redenção dos nossos Vales; Vales de valores, versos, vidas, de vozes e viola, de uma gente que chora, trova, canta, dança e encanta - gente digna de justiça e oportunidades! Portanto, é preciso prover o merecido espaço ao Conselho de Integração Comunitária (Consic) na elaboração das políticas sociais desta instituição. 

Atualmente, a UFVJM possui 821 docentes e 652 servidores técnico-administrativos com alto grau de capacitação e 345 servidores terceirizados, que representam o potencial transformador desta universidade. Temos mais de 10 mil estudantes matriculados em 46 cursos de graduação presenciais, 5 cursos de graduação a distância e em 26 programas de pós-graduação. Esse valioso patrimônio intelectual está concentrado em jazidas nos campi de Diamantina, Janaúba, Teófilo Otoni e Unaí e devem ser igualmente contemplados nos projetos da universidade.

Com base nos relatórios anuais de gestão, ao longo desses 15 anos averiguou-se que o trabalho hercúleo dos nossos gestores pode ser compreendido por uma fase precipitada de expansão seguida por outra de abrupta desaceleração. Na física quântica isso define um trajeto de comprimento de onda - percurso da crista ao vale. Hoje, a UFVJM encontra-se literalmente no vale, na depressão de uma onda, e depende de muita energia para soerguer-se e completar esse ciclo e, obviamente, evitar ciclos com tamanha amplitude - depressão. Essa situação pertence-nos como gestores e motiva-nos a uma reforma administrativa – com o objetivo de canalizar energias, estratégias e estabelecer metas visando corrigir vícios, desvios de finalidades e, em contrapartida, implementarmos práticas de governança pública. Certamente, cabe ao nosso Conselho Universitário (Consu), órgão máximo de deliberação em termos de política universitária e de administração, decidir com sabedoria o norte de nossa instituição.

Em termos de desempenho institucional, é preciso elevar os indicadores de gestão, governança e controle de riscos e a comunidade acadêmica precisa conhecer os benefícios da Unidade de Integridade no seu dia a dia. No ensino, os indicadores relativos à matrícula, retenção, evasão e taxa de diplomação necessitam ser acompanhados de forma permanente com a efetiva participação dos estudantes, docentes, coordenadores dos cursos, dos Núcleos Docentes Estruturantes e técnicos em assuntos educacionais. A Pró-Reitoria de Graduação deve abordar essa problemática multifatorial mediante formação pedagógica permanente e inclusão da tecnologia digital. A revisão dos atuais cursos e a inclusão de novos cursos representará o maior ganho institucional e precisará de um trabalho primaz dos membros do Conselho de Graduação (Congrad) e, sobretudo, do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe).

O plano de gestão do quadro de pessoal deve equilibrar atribuições e capacitações na organização dos setores administrativos, primando por um adequado ambiente de trabalho, ou seja, implantar o dimensionamento da força de trabalho. A universidade deve desenvolver políticas pela saúde do servidor e planejar a capacitação dos servidores em prol da missão institucional. Num Espaço de Dados e Planos deve-se implementar um fluxo de processos sistematizados objetivando melhor atendimento ao usuário e aos órgãos de controles interno e externo. Para tanto, será preciso eliminar paredes entre as pessoas de uma mesma pró-reitoria, fusionar setores com funções complementares e reestruturar o organograma administrativo da universidade de maneira que as pró-reitorias possam atender plenamente todas as demandas das Unidades Acadêmicas – órgãos responsáveis pela supervisão das atividades de ensino, pesquisa e extensão, bem como pela execução das atividades administrativas de pessoal, finanças e patrimônio. 

Economicamente, 2019 foi marcado pelos contingenciamentos e cortes no orçamento das instituições de ensino superior. Iniciamos 2020 com uma crise econômica em esfera mundial em decorrência da pandemia Covid-19, causada pelo novo coronavírus, em que países com economias sólidas levarão anos para recuperar o seu Produto Interno Bruto (PIB). Nesse preocupante cenário econômico nacional e internacional o “Projeto UFVJM” precisa ser implementado. Como contrapartidas, temos proposto ao Ministério da Educação:

1) investir em projetos estruturantes com tecnologia da informação e comunicação visando à consolidação da instituição;

2) fortalecer as políticas de apoio estudantil, visando ampliar matrículas, criar novos cursos e preparar o egresso para um mercado de trabalho articulado a um programa de desenvolvimento mesorregional e;

3) implantar gestão administrativa primando por indicadores de governança pública. 

Nesse sentido, a atual equipe de gestão 2019-2023 da reitoria da UFVJM já está investindo na melhoria ao acolhimento dos estudantes e implementando políticas permanentes que culminem na redução da retenção, evasão e proporcionem aumento da taxa de diplomação. Vamos implementar o restaurante universitário e a moradia estudantil nos quatro campi. O ensino presencial será atualizado e reestruturado com os benefícios das Tecnologias de informação e Comunicação (TIC) com política de inclusão focada nos estudantes com maior vulnerabilidade socioeconômica. Implementaremos a biblioteca virtual e implantaremos novos cursos de graduação na modalidade tecnólogo. Ampliaremos, também, em escala exponencial, a pós-graduação semipresencial utilizando-nos dos ambientes virtuais de aprendizagem. Valendo-nos da pluralidade de ideias e da permanente troca de saberes, implementaremos a creditação da extensão no ensino e, com isso, faremos acontecer a UFVJM nas comunidades dos nossos territórios de abrangência.    

Politicamente, aproximaremos do estado para fortalecer e ampliar o impacto das nossas políticas sociais. A Reitoria formalizará no Congresso Nacional uma Frente Parlamentar para propulsionar o nosso Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI). Ademais, ampliaremos diálogos com as prefeituras e câmaras municipais, estaduais, com o Ministério da Educação, com os Ministérios da Cidadania, Saúde, Turismo e da Ciência e Tecnologia, bem como importaremos ciência e tecnologia de outros países. Sincronicamente, fortaleceremos parcerias com as secretarias do governo do estado de Minas Gerais e, consequentemente, ampliaremos a nossa integração interinstitucional em nível municipal, estadual, nacional e internacional através da Central de Projetos & Desenvolvimento.

 A UFVJM prepara-se para atuar como farol de desenvolvimento mesorregional objetivando consolidar-se como uma universidade pública socialmente relevante. Com esse objetivo a Central de Projetos & Desenvolvimento integrará várias pró-reitorias, laboratórios multiusuários, Centro de Inovação Tecnológica (CITec) e fundações de apoio e será o portal de acolhimento das prefeituras municipais, empresas públicas e privadas e as secretarias de governo de estado. Nessa lógica de trabalho renovaremos o Termo de Comodato pela Fazenda Experimental do Moura, na cidade de Curvelo, e também implementaremos atividades no Centro de Pesquisa de Ciências Agrárias (CPCA) na cidade de Couto de Magalhães de Minas, visando diferenciados campos de práticas para o ensino e desenvolvimento de pesquisas de ponta, bem como geração de diversidade de produtos para incrementar a receita própria da universidade.

No exercício do cargo de reitor me empenharei para corresponder aos anseios da comunidade acadêmica e da sociedade. A equipe de pessoas da reitoria está de braços abertos para acolher a todos e a todas nessa magnífica missão.

Que nós, professores, professoras, estudantes e servidores técnico-administrativos, ampliemos os nossos diálogos com a sociedade e façamos ecoar pelos vales e campinas o verdadeiro sentido desta universidade a cada pai e mãe, e aos seus filhos e filhas, irmãos e irmãs, gente digna da oportunidade de traçar seu próprio destino e de realizar seus almejados sonhos.

Diamantina, 2 de julho de 2020

Janir Alves Soares